sexta-feira, 12 de maio de 2017

Escuridão...


Às vezes, num momento de sufoco nos sentimos
mergulhados na escuridão
dos sentimentos negativos.
Os problemas nos parecem mais graves
e as soluções mais difíceis.
Mas, na verdade
 nada está escuro ao nosso redor.
 A ansiedade é que nos tira
a capacidade de perceber a luz.

Desconhecido

terça-feira, 9 de maio de 2017

A tua estrela.


Que a Tua estrela nos encontre
disponíveis para a viagem
mesmo sem que percebamos tudo
Que o seu brilho nos torne pacientes
Com as coisas não resolvidas do nosso coração
E nos ajude a amar as difíceis questões
Segredam pelo tempo fora
Que a tua estrela nos faça reconhecer
Que nunca é tarde
Para que se tornem de novo ágeis e sonhadores
Os nossos passos cansados
Pois nós próprios nos tornamos em estrelas
Quando arriscamos perpetuar
 A Tua luz multiplicada

 José Tolentino Mendonça

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Força...


Que a força do medo que tenho
 Não me impeça de ver o que anseio
 Que a morte de tudo em que acredito
 Não me tape os ouvidos e a boca
 Porque metade de mim é o que eu grito
é saudade Que as palavras que falo
Não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor

Apenas respeitadas como a única coisa
Que resta a um homem inundado de sentimentos
Pois metade de mim é o que ouço
A outra metade é o que calo
Que a minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que mereço
Que a tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
 outra metade um vulcão

 Que o medo da solidão se afaste
E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
 Que o espelho reflicta meu rosto num doce sorriso
 Que me lembro ter dado na infância
 Pois metade de mim é a lembrança do que fui
 A outra metade não sei
 Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
 Pra me fazer aquietar o espírito
 E que o seu silêncio me fale cada vez mais
 Pois metade de mim é abrigo
A outra metade é cansaço
 Que a arte me aponte uma resposta
Mesmo que ela mesma não saiba
 E que ninguém a tente complicar
 Pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
 Pois metade de mim é plateia
 A outra metade é canção
Que a minha loucura seja perdoada
Pois metade de mim é amor
E a outra metade também...


 Oswaldo Montenegro
 Carlos Fonseca

sábado, 29 de abril de 2017

O amor quando se revela


O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

 Quem quer dizer o que sente
 Não sabe o que há de dizer.
 Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

 Ah, mas se ela adivinhasse
 Se pudesse ouvir o olhar
 E se um olhar lhe bastasse
 P'ra saber que a estão a amar!

 Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar
 Já não terei que falar-lhe
 Porque lhe estou a falar...

 Fernando Pessoa

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O Homem e a Mulher


O homem é a mais elevada das criaturas.
 A mulher, o mais sublime dos ideais.
 Deus fez para o homem um trono; para a mulher fez um altar.
 O trono exalta e o altar santifica.
 O homem é o cérebro; a mulher, o coração.
 O cérebro produz a luz; o coração produz amor.
 A luz fecunda; o amor ressuscita.
 O homem é o génio; a mulher é o anjo.
O génio é imensurável; o anjo é indefenível;
 A aspiração do homem é a suprema glória;
 a aspiração da mulher é a virtude extrema;
A glória promove a grandeza, e a virtude, a divindade.
 O homem tem a supremacia; a mulher, a preferência.
 A supremacia significa a força; a preferência representa o direito.
 O homem é forte pela razão; a mulher, invencível pelas lágrimas.
 A razão convence e as lágrimas comovem.
 O homem é capaz de todos os heroísmos;
 a mulher, de todos os martírios.
 O heroísmo enobrece e o martírio purifica.
 O homem é a águia que voa; a mulher, o rouxinol que canta
 Voar é dominar o espaço e cantar é conquistar a alma
 Enfim, o homem está colocado onde termina a terra;
 a mulher, onde começa o céu.

 Victor Hugo
.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Lenda e mistério...

 Diz a lenda que muitos e muitos anos atrás
Um casal que se amava contra a vontade dos pais
Se encontravam escondidos na escuridão
Eram guiados pela força da paixão
Era o amor vencendo o medo
 A sete chaves em seu coração
 Deus ouvindo as preces daquele jovem casal
 Lhe mandou o mais lindo sinal
E nesse instante uma luz iluminou o céu
E ele prometeu olhando em seus olhos de mel
O mundo inteiro vai saber que foi
O nosso amor que fez nascer
A lua cheia no céu
Para iluminar quem quiser amar
Lendas e mistérios de um amor ete
Que nem mesmo o tempo foi capaz de apagar
Foi assim que aconteceu
 Um amor que não morreu



Autor do texto
desconhecido

domingo, 9 de abril de 2017

Nossa escolha...


Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas
elas têm que reflectir o que a gente é.
Lógico que se deve reavaliar decisões
e trocar de caminho: ninguém é o mesmo para sempre.
Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar
e não para anular a vivência do caminho
anteriormente percorrido.
A estrada é longa e o tempo é curto
Não deixe de fazer nada que queira
mas tenha responsabilidade e maturidade
para arcar com as consequências destas acções
Lembrem-se: suas escolhas têm
50% de chance de darem certo
mas também 50% de chance de darem errado
 A escolha é sua...

Pedro Bial

foto- Maria Dilar

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Pense positivo...


"Tire do coração o medo
 não dê lugar aos sentimentos que lhe roubam a paz.
 Pense positivo, sonhe alto
 tenha fé, seja grande de coração e seja grato.
No caminhar da vida nem sempre o caminho será fácil
 mas mesmo em meio
as pedras, Deus nos dará sapatos adequados."

 __ Yla Fernandes

sexta-feira, 31 de março de 2017

Reflexão...


Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto
Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura

Martha Medeiros

quarta-feira, 22 de março de 2017

PRIMAVERA!


Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma
Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse Por isso, se morrer agora, morro contente, Porque tudo é real e tudo está certo.
Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências
O que for, quando for, é que será o que é.

 (Poemas Inconjuntos, heterónimo de Fernando Pessoa) Alberto Caeiro


Imagem  (google)

domingo, 19 de março de 2017

Não sou uma deusa...


Não sou uma deusa da beleza,
 não tenho um corpo perfeito
 mas tenho algo que encanta
 algo que flui natural
 e confesso que me transborda de orgulho
 ser a musa inspiradora de um homem muito especial

. Gardenia by Gardenia
 art by Mario Dilitz

sábado, 18 de março de 2017

Janelas do meu quarto.


Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo. que ninguém sabe quem é
 ( E se soubessem quem é, o que saberiam?),
 Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
 Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
 Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa
 Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
 Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
 Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
 Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
 Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer
 E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
 A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.
Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.
 Falhei em tudo.
 Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
 A aprendizagem que me deram
 Desci dela pela janela das traseiras da casa.

 (Trecho de Tabacaria, de Fernando Pessoa)

quinta-feira, 16 de março de 2017

SEM RAZÃO - Maria Dilar


Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.
 Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.
 Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.
 Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.
 Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.
 Mas depois de muita análise e observação,

 se você vê que algo concorda com a razão
 e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o.

 Buda

segunda-feira, 13 de março de 2017

Sou toda FÉ...


"Minhas costas aguentam o peso que levo
 porque o coração está cheio de gratidão.
 Meus pés caminham, mesmo doloridos
 porque acreditam no caminho que escolheram.
Não há como desistir, embora a vontade venha

 quando a certeza de que tudo valerá a pena
 está em cada partícula de nós.
 Sou toda esperança
 Sou feita de fé."

 Rachel Carvalho

domingo, 12 de março de 2017

A face; espelho...


A face é um espelho dos seus sentimentos internos
 É o órgão do corpo mais observado e notado.
O estado da sua consciência é claramente visível nela
 A face reflectirá e espalhará a fragrância da beleza interior
quando é preenchida de pureza e felicidade.
Quando você entra em contacto com os outros
eles lêem e recebem muitas coisas através dos seus olhos
e de sua expressão facial positiva.
Imediatamente isso fica impresso na mente deles.
 Depois - através de acções, gestos e palavras
 eles expressam isso para você."

 Brahma Kumaris

sexta-feira, 10 de março de 2017

DESENHO...

Viver é desenhar sem borracha.
Porém, a vida não é como um desenho
feito a lápis onde, ao se cometer o menor erro
pode-se apagar e consertar o traço.
Sempre ficará a marca d'água do lápis
a mesma forma que o papel amassado
jamais voltará a ser como era antes...

 desconhecido

quinta-feira, 9 de março de 2017

MARIA DILAR - NÃO SEI PORQUÊ


Assim também acontece
Com quem o amor não viveu.
Como não nasce sozinho
Plantemos pois, do amor, a semente
E teremos uma árvore bela e frondosa,
De onde colheremos frutas deliciosas
 Com cheiro e sabor de carinho!

desconhecido

quarta-feira, 8 de março de 2017

Motivo


Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste: sou poeta.
Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento
. Atravesso noites e dias no vento.
Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço, — não sei, não sei.
Não sei se fico ou passo.
Sei que canto.
E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada
 E um dia sei que estarei mudo: — mais nada.

Cecília Meireles

foto- Maria Dilar


sexta-feira, 3 de março de 2017

Maria Dilar - Fado da saudade (Imagens artísticas)

Para sempre !


Por que Deus permite que as mães se vão embora?
Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga
quando sopra o vento e chuva desaba
veludo escondido na pele enrugada
água pura, ar puro, puro pensamento.
Morrer acontece com o que é breve
e passa sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça, é eternidade.
Por que Deus se lembra - mistério profundo - de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei:
Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho
e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho.


Carlos Drummod de Andrade
foto-Maria Dilar

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Paz Perfeita 🌟


Certa vez um rei teve de escolher entre duas pinturas
 qual mais representava a paz perfeita.
 A primeira era um lago muito tranquilo
 este lago era um espelho perfeito onde
 se reflectiam algumas plácidas montanhas
 que o rodeavam, sobre elas encontrava-se
 um céu muito azul com nuvens brancas
 Todos os que olharam para esta pintura
 pensaram que ela reflectia a paz perfeita.
 Já a segunda pintura também tinha montanhas
 mas eram escabrosas e não tinham uma só planta
 o céu era escuro, tenebroso e dele saíam faíscas de raios e trovões.
 Tudo isto não era pacífico.
 Mas, quando o rei observou mais atentamente
 reparou que atrás de uma cascata havia
 um pequeno galho saindo de uma fenda na rocha.
Neste galho encontrava-se um ninho.
Ali, no meio do ruído da violenta camada de água
 estava um passarinho calmamente sentado no seu ninho.
 Paz Perfeita.
 O rei escolheu essa segunda pintura e explicou:
 "Paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas
 Ou sem dor.
 Paz significa que, apesar de se estar no meio de tudo isso
 Permanecemos calmos e tranquilos no nosso coração
. Este é o verdadeiro significado da paz."

 Autor Desconhecido

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Não Deixe O Samba Morrer (Videoclipe) - Maria Rita


" Não deixa o samba morrer,
 não deixa o samba acabar,
 o morro foi feito de samba
 e de samba pra gente sambar"

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

A Mulher Inspiradora


Mulher, não és só obra de Deus;
 os homens vão-te criando eternamente
 com a formosura dos seus corações
 e os seus anseios vestiram de glória a tua juventude.
 Por ti o poeta vai tecendo a sua imaginária tela de oiro
 o pintor dá às tuas formas, dia após dia, nova imortalidade
 Para te adornar, para te vestir, para tornar-te mais preciosa
o mar traz as suas pérolas, a terra o seu oiro
 sua flor os jardins do Verão.
 Mulher, és meio mulher, meio sonho

. Rabindranath Tagore, in "O Coração da Primavera"
 Tradução de Manuel Simões
foto- Maria Dilar 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Maria Dilar - Casinha Pequenina


Todas as casas onde há livros, quadros e discos são bonitas.
 E são feias todas as casas, por mais luxuosas, onde faltem essas coisas...

Eugénio de Andrade

sábado, 11 de fevereiro de 2017

in "Infinito Pessoal"

Desvio dos teus ombros o lençol,
que é feito de ternura amarrotada
da frescura que vem depois do sol
 quando depois do sol não vem mais nada...

Olho a roupa no chão: que tempestade!
Há restos de ternura pelo meio
como vultos perdidos na cidade
onde uma tempestade sobreveio...

Começas a vestir-te, lentamente
e é ternura também que vou vestindo
para enfrentar lá fora aquela gente
que da nossa ternura anda sorrindo...

Mas ninguém sonha a pressa
com que nós a despimos
 assim que estamos sós!


De: DAVID MOURÃO-FERREIRA 

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Á BEiRA DO RIO...


Sentei-me á beira do rio...
conta a lenda que tudo o que cai nas águas desse rio
as folhas, os insectos, as penas das ave
se transformam nas pedras do seu leito.
 Ah, quem dera eu pudesse arrancar
 o coração do meu peito e atira-lo na correnteza
 e então não haveria mais dor, nem saudade, nem lembranças
O frio do inverno fez com que eu sentisse
 as lágrimas no rosto, e elas se misturaram
 com as águas geladas que correm diante de mim.
 Em algum lugar esse rio se junta com outro
depois com outro, até que distante dos meus olhos
 e do meu coração, todas essas águas
 se confundem com o mar...

desconhecido

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

VIAGEM..


Viagem
 É o vento que me leva.
 O vento lusitano.
 É este sopro humano Universal
 Que enfuna a inquietação de Portugal.
 É esta fúria de loucura mansa
 Que tudo alcança Sem alcançar.
 Que vai de céu em céu,
 De mar em mar,
 Até nunca chegar.
 E esta tentação de me encontrar
 Mais rico de amargura
as pausas da ventura
 De me procurar...

Miguel Torga

sábado, 28 de janeiro de 2017

Sensual tango - La Cumparsita



Fecha os olhos e sente a leveza deste desejo a sensualidade e delicadeza entre o sonho e um desejo .
Entrega-te a este momento deixa fluir o que te vai na alma abraça o melhor sentimento sente a profundidade da sua calma. Escuta o silêncio que desta essência se faz ouvir liberta o coração e entrega o teu corpo a este sentir . Esquece o tempo apenas vive este lugar dá asas ao pensamento e voa aonde o prazer te levar ...

Valdo Santos

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Mesa dos Sonhos


Mesa dos Sonhos
Ao lado do homem vou crescendo
Defendo-me da morte quando dou
Meu corpo ao seu desejo violento
E lhe devoro o corpo lentamente
Mesa dos sonhos no meu corpo vivem
Todas as formas e começam

Todas as vidas
 Ao lado do homem vou crescendo
 E defendo-me da morte povoando
 De novos sonhos a vida

 Alexandre O'Neill,

sábado, 21 de janeiro de 2017

A Lenda dos Beijos.




Quero todo o teu espaço
 e todo o teu tempo.
Quero todas as tuas horas
 e todos os teus beijos.
Quero toda a tua noite
 e todo o teu silêncio.

Mario Quintana

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Maria Dilar Fado Negro Negro Fado

PALETA DUM FADO


 Se outros vissem o que vejo,
Assim que os meus olhos fecho
 Para me pôr a sonhar…
Veriam melhor a vida
 Ora negra ou colorida
 A sorrir ou a chorar.

Tiro uma foto ao desgosto
 Que se espraia no teu rosto
E guardo-a dentro de mim.
 Outras vezes dou matiz
 Ao teu sorriso, feliz,
Com cores de todo um jardim

 Quando passa a primavera
 O outono que vive à espera
Vir nos teus olhos morar;
Traz folhas, que são caídas
 Como lágrimas perdidas
, Sobre o teu rosto a rolar.

Assim te vejo qual tela
De guache, óleo, aguarela
 Num quadrosublimado…
 Se outros vissem o que vejo
 Assim que os meus olhos fecho
Para te cantar num fado…

Poema: Mário Rainho

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Há palavras que nos beijam...


Há palavras que nos beijam
 Como se tivessem boca.
 Palavras de amor, de esperança,
 De imenso amor, de esperança louca.

 Palavras nuas que beijas
 Quando a noite perde o rosto
 Palavras que se recusam
 Aos muros do teu desgosto.

 Que nos transportam
 Aonde a noite é mais forte
 Ao silêncio dos amantes
 Abraçados contra a morte.

 Alexandre O'Neill, in 'No Reino da Dinamarca'

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Se me Esqueceres


Se Me Esqueceres
 Quero que saibas uma coisa.
 Sabes como é: se olho a lua de cristal
o ramo vermelho do lento outono à minha janela
se toco junto do lume a impalpável cinza
ou o enrugado corpo da lenha, tudo me leva para ti
como se tudo o que existe, aromas, luz, metais
fosse pequenos barcos que navegam
até às tuas ilhas que me esperam.

 Mas agora, se pouco a pouco me deixas de amar
 deixarei de te amar pouco a pouco.
 Se de súbito me esqueceres não me procures
 porque já te terei esquecido.
Se julgas que é vasto e louco o vento de bandeiras
que passa pela minha vida
e te resolves a deixar-me na margem do coração
em que tenho raízes

 pensa que nesse dia
 a essa hora levantarei os braços e as minhas raízes
 sairão em busca de outra terra.
 Porém se todos os dias, a toda a hora
 te sentes destinada a mim com doçura implacável
 se todos os dias uma flor
 uma flor te sobe aos lábios à minha procura
ai meu amor, ai minha amada,
em mim todo esse fogo se repete
 em mim nada se apaga nem se esquece
 o meu amor alimenta-se do teu amor
 e enquanto viveres estará nos teus braços
 sem sair dos meus

. Pablo Neruda, in "Poemas de Amor de Pablo Neruda"