sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Amamos tão pouco.


amamos tão pouco e temos tanto para amar
morrer é não estar onde o mar nos pode levar
onde o céu se deixa tocar onde a estrela
começa a queimar morrer
 e não ser amante de barco à vela
menina a sorrir à janela rosa, botão, jardim, flor de lotus e jasmim
Poema de Florbela
amamos tão pouco neste mundo
quase louco
 e temos tanto para amar
morrer é não ficar deitada ao sol na areia
é não acreditar na verdade da sereia
morrer é não sonhar com o amor
 que há para dar à nossa volta,
 em todo o lugar
 em cada cantinho da ter
 morrer é não viver com o coração em guerra
 sempre, com o amor a palpitar...

. rosamar

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Ventania...


Ventania
O vento sussurra-me algo ao pé do ouvido
Mas sei que não me amas Ainda!
– Falo-me com esperança
De um dia ser eu o teu amor
E mesmo que eu entendesse as cantigas do vento
Saberia que em nada seria declarações
Mas, ah! Se eu pudesse falar a língua dos ventos
Teria a audácia de mandar-te um beijo a mais.

Natani Risorim

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Terra ensina-me...


Terra, ensina-me a quietude, como a relva é silenciosa pela luz.
Terra, ensina-me a sofrer, como as velhas pedras sofrem com a lembrança.
Terra, ensina-me a humildade, como as flores são humildes em seus primórdios.
Terra, ensina-me a acarinhar, como a mãe que envolve seu bebê.
Terra, ensina-me a coragem, como a árvore que se eleva solitária.
Terra, ensina-me a limitação, como a formiga que rasteja no solo.
Terra, ensina-me a liberdade, como a águia que paira no céu.
Terra, ensina-me a resignação, como as folhas que morrem no outono.
Terra, ensina-me a regeneração, como a semente que brota na primavera.
Terra, ensina-me a esquecer de mim mesmo, como a neve que derrete esquece sua vida. 
Terra, ensina-me a lembrar da bondade, como os campos áridos choram com a chuva.

 "UTE" Philip Novak

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Maria Dilar



O destino une e separa.
Mas nenhuma força é grande o suficiente
para fazer esquecer pessoas
que por algum motivo
um dia nos fizeram felizes....

domingo, 5 de novembro de 2017

A chuva...



A chuva!
 Não mata mais molha
 O amor! Não se vê, sente-se.
 A amizade! Não se compra, constroi-se
. E pessoas como voce!
 Não se esquecem, guarda-se no fundo do coração.

 Andrade Guilherme Abraham
 imagem google

domingo, 29 de outubro de 2017

Preciso de ti...


O coração nas estrelas
 A cabeça nas nuvens
 O cabelo no vento
 Os pés na terra
Os meus olhos nos teus olhos
 As minhas mãos no teu corpo
O teu corpo no meu
 O toque do sol
O canto do riacho
 O roubo dos pássaros...
 O Éden está perto.

 Soluan

domingo, 22 de outubro de 2017

Não basta ter asas...


Não basta dar asas aos sonhos
o essencial é fazê-los voar.
É ir com eles, pro alto, bem alto!
 Para onde ninguém os destrua
e você possa torná-los lindas
Realidades...

 Vanessa Haas


sábado, 14 de outubro de 2017

O tempo...


Passei uma vida olhando para o tempo
 como se ele fosse um inimigo íntimo
 a contar sorrateiro seus minutos...
Descobri depois de aceitar sua doce companhia
que o tempo pode ser um curandeiro a curar feridas
 um amigo a contar histórias do tempo que já passou
e trazendo boas lembranças
 pode também ser uma criança passando alegre
 por entre os meus minutos com um sorriso de gente inocente...
 E de um inimigo descobri
o grande segredo do tempo: ter me feito melhor a cada momento.
E se me perguntassem
 se eu mudaria alguma coisa da minha história
 que o tempo levou?
 Eu não!
chamaria o tempo para tomar um café
e contar das coisas que ainda não vivi..."

( Carol Werneck )

domingo, 8 de outubro de 2017

Os meus olhos...


Se os olhos são a janela da alma
meu olhar se fez vazio
a luz dos olhos meus brilharam na escuridão.
 sou plural,
feito de solidão.

 Robinson Badin

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Beijar-te ao relento.


Visto-me de estrela hoje
 para te apreciar a noite inteira
 Por vezes visto me de lua
 para entre fresta da janela
 te admirar nua
 Já  me vesti de escuridão
 em momentos de solidão.
 Mas adoro mesmo
me vestir de vento
 para te beijar ao relento!

 Sergio Fornasari

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Em nome dos que choram...


Em nome dos que choram
 Dos que sofrem
 Dos que acendem na noite o facho da revolta
 E que de noite morrem
 Com a esperança nos olhos e arames em volta.
 Em nome dos que sonham com palavras
 De amor e paz que nunca foram ditas
 Em nome dos que rezam em silêncio
 E falam em silêncio
E estendem em silêncio as duas mãos aflitas
 Em nome dos que pedem em segredo
 A esmola que os humilha e os destrói
 E devoram as lágrimas e o medo
 Quando a fome lhes dói.
Em nome dos que dormem ao relento
 Numa cama de chuva com lençóis de vento
 O sono da miséria, terrível e profundo,
 Em nome dos teus filhos que esqueceste,
 Filhos de Deus que nunca mais nasceste,
 Volta outra vez ao mundo!

ARY DOS SANTOS

domingo, 3 de setembro de 2017

À Espera dos Bárbaros


O que esperamos na ágora reunidos?
 É que os bárbaros chegam hoje.
 Porquê tanta apatia no senado?
Os senadores não legislam mais?
 É que os bárbaros chegam hoje.
Que leis hão de fazer os senadores?
Os bárbaros que chegam as farão.

 Porquê o imperador se ergueu tão cedo
 e de coroa solene se assentou em seu trono, à porta magna da cidade?
 É que os bárbaros chegam hoje.
 O nosso imperador conta saudar o chefe deles.
 Tem pronto para dar-lhe um pergaminho no qual estão escritos muitos nomes e títulos.
 Porque hoje os dois cônsules e os pretores usam togas de púrpura,
 bordadas e pulseiras com grandes ametistas e anéis com tais brilhantes e esmeraldas
 Porque hoje empunham bastões tão preciosos de ouro e prata finamente cravejados?
 É que os bárbaros chegam hoje, tais coisas os deslumbram.
 Porque não vêm os dignos oradores derramar o seu verbo como sempre?

 (Trecho de À Espera dos Bárbaros, de Konstantinos Kaváfis.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Poema azul


 O mar beijando a areia
O céu e a lua cheia
Que cai no mar
Que abraça a areia
Que mostra o céu
 E a lua cheia

Que prateia os cabelos do meu bem
 Que olha o mar beijando a areia
 E uma estrelinha solta no céu
Que cai no mar
 Que abraça a areia
 Que mostra o céu e a lua cheia um beijo meu

Sophia de Mello Breyner Andresen

sábado, 12 de agosto de 2017

Quando as dores são inevitáveis...


Que as dores são inevitáveis, todo mundo sabe.
Tem fases em que o riso não sai
 a fé fica pequenina - ou até mesmo nula
 e a nossa força se esgota.
 Cada um reage de um jeito nestas crises...
Alguns soltam as lágrimas para aliviar
outros em uma tentativa de se afogar.
Alguns buscam outras saídas, sejam elas fugas
 ou um jeito mais leve de lidar com a vida.
Eu costumo mergulhar fundo na escuridão.
 Tranco a porta, fecho a janela
 e deito a cabeça no travesseiro
 de uma forma que o ouvido fique tampado
 para eu não escutar o barulho lá de fora
(e muito menos o daqui de dentro).
 É aí que eu percebo que não tem jeito:
não consigo silenciar o que magoa o meu peito.
 Afinal, após toda aquela tempestade escura
 sei que o sol também sempre vai voltar
 para me refazer e (de novo) me iluminar...

Beatriz Zanzini

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Maria Dilar



Saudades! Sim.. talvez.. e por que não?...
Se o sonho foi tão alto e forte
Que pensara vê-lo até à morte
Deslumbrar-me de luz o coração!

Esquecer! Para quê?... Ah, como é vão!
Que tudo isso, Amor, nos não importe.
Se ele deixou beleza que conforte
Deve-nos ser sagrado como o pão.

Quantas vezes, Amor, já te esqueci,
Para mais doidamente me lembrar
Mais decididamente me lembrar de ti!

E quem dera que fosse sempre assim:
Quanto menos quisesse recordar
Mais saudade andasse presa a mim!

Florbela Espanca, in "Livro de Sóror Saudade"

domingo, 6 de agosto de 2017

Nossos verdadeiros amigos...


Toda a forma de vida é uma manifestação de Deus
 e está sob os nossos cuidados.
Proteja o que é seu - sua fauna sua flora.
As plantas e os animais embelezam a terra.
 São úteis ao homem e representam a riqueza da Pátria
. Nunca se deve mutilar, destruir ou deixar que destruam estes bens
. Vamos amar nossos animais domésticos.
 Vamos dar aos selvagens a paz que eles têm direito.
Permitamos que enfeitem nossas florestas.
 Vamos amar os pássaros puros e belos
 cantando nas ramagens, voando alegres
no espaço ilimitado, como verdadeiros símbolos de liberdade!

 São Francisco de Assis

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Rosas vermelhas



Uma vida florida...
Rosas vermelhas...rosas rosas.
 Perfumadas...faceiras.
Abertas ou em botão.
 Vivas como a vida!
 Em constante movimento
... Ah...se possível fosse
que bom seria,ser uma delas !
 Alias,como num pulo mágico
podemos ser, sim... Basta sonhar!!!

Berenice Pasin
imagem google

domingo, 30 de julho de 2017

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Ultimo soneto!


Que rosas fugitivas foste ali:
Requeriam-te os tapetes – e vieste...
 Se me dói hoje o bem que me fizeste
 É justo, porque muito te devi.
 Em que seda de afagos me envolvi
 Quando entraste, nas tardes que apareceste
 Como fui de perca quando me deste
Tua boca a beijar, que remordi...
 Pensei que fosse o meu o teu cansaço
 Que seria entre nós um longo abraço
O tédio que, tão esbelta, te curvava...
 E fugiste... Que importa ?
Se deixaste a lembrança violeta que animaste
Onde a minha saudade a cor se trava?...

 Paris - Dezembro 1915
 Mário Sá-Carneiro

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Preciso...


'' Sempre precisei de ficar sozinha
 além de reflectir melhor
 me auto aconselhar e consolar-me a mim mesma.
 Isto é preciso, é disto que gosto
 de estar no meu silêncio,
no meu sossego de isolar-me de todos
 onde eu realmente sinta a harmonia a vibração positiva ''.
 Este é meu segredo

 -Luiza_Pereira H.

sábado, 22 de julho de 2017

O amor quando se revela


O amor, quando se revela
 Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p,ra ela,
Mas não lhe sabe falar
.
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há-de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

Ah, mas se ela adivinhasse
 Se pudesse ouvir o olhar
 E se um olhar lhe bastasse
 P'ra saber que a estão a amar!

 Mas quem sente muito, cala
 Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala
 Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...

Fernando Pessoa

domingo, 16 de julho de 2017

Paciência...


“Paciência só para o que importa de verdade.
 Paciência para ver a tarde cair.
 Paciência para beber um cálice de vinho.
 Paciência para a música e para os livros.
Paciência para escutar um amigo.
 Paciência para aquilo que vale nossa dedicação.”

 Martha Medeiros

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Leonard Cohen - It Seemed the Better Way

Mistério...


No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.
E no planeta um jardim
e no jardim um canteiro
no canteiro uma violeta
e sobre ela o dia inteiro
entre o planeta e o sem-fim
a asa de uma borboleta...

Cecília Meireles

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Lobos...


O Lobo solitário é valente e forte
 mas tem seus medos e angustias
Encurralado fica agressivo, solto
até tenta proximidade dos seus pares
Mas ele até por instinto machuca quem gosta
É instintivo, é de sua natureza vorás...
É belo e admirável, porém intocável
sempre em defesa de seu pequeno território...
Dentro de si a imensidão de sonhos e sentimentos
 todos inconfessáveis e irrevelados.
Do medo de ser aprisionado vem sua força
arredia, do medo da prisão sem muros
 vem seu uivo de dor, força e sentimentos..

Elmar Santos

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Seus Olhos...


Seus olhos - que eu sei pintar
O que os meus olhos cegou
 Não tinham luz de brilhar
 Era chama de queimar
 E o fogo que a ateou
Vivaz, eterno, divino
 Como facho do Destino
 Divino, eterno!E suave
 Ao mesmo tempo: mas grave
 E de tão fatal poder,
Que, um só momento que a vi
Queimar toda a alma senti...
Nem ficou mais de meu ser
Senão a cinza em que ardi.


 Almeida Garrett, in 'Folhas Caídas'

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Independência...


Independência nada mais é
do que ter poder de escolha.
Conceder-se a liberdade de ir e vir
Atendendo às suas necessidades
e vontades próprias
Mas sem dispensar a magia.
Independência não é sinónimo de solidão
É sinónimo de honestidade:
estou ONDE QUERO
Com QUEM QUERO e
 PORQUE QUERO.

 Martha Medeiros

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Vou até lá...


Vou até lá renovar meus votos de gratidão
e amor pela vida e, mais uma vez,
voltarei com a certeza de que lá minha alma fez morada...
Lá, onde é o meu lugar, no calor do abraço
que me mostra a dimensão da eternidade
 meu espírito irá buscar inspiração
 e reafirmar a fé de que a verdadeira Casa
 não tem alicerces no mundo.

 Nicoli Miranda

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Pela luz dos olhos teus


Quando a luz dos olhos meus
a luz dos olhos teus
Resolvem se encontrar
Ai que bom que isso é meu Deus
Que frio que me dá o encontro desse olhar
Mas se a luz dos olhos teus
Resiste aos olhos meus só p'ra me provocar
Meu amor, juro por Deus me sinto incendiar
Meu amor, juro por Deus
Que a luz dos olhos meus já não pode esperar
Quero a luz dos olhos meus
Na luz dos olhos teus sem mais lará-lará
Pela luz dos olhos teus
Eu acho meu amor que só se pode achar
Que a luz dos olhos meus precisa se casar.

Vinicius de Moraes
foto - Maria Dilar

domingo, 11 de junho de 2017

Lisboa Linda Maria Dilar


A história de Lisboa está muito ligada ao Rio Tejo,
 o maior da Península Ibérica.
Devido à proximidade ao rio, os primeiros humanos,
os homo sapiens Neandertais, fixaram-se nesta região,
vindos principalmente do norte de África e de outras partes da Europa.
Em Lisboa existem achados arqueológicos que comprovam
a existência de vida humana naquela zona há milhares e milhares de anos
 sendo que os Neandertais chegaram à Península Ibérica há cerca de 35 mil anos.
 Lisboa é, assim, uma das cidades mais antigas do mundo e da Europa Ocidental
 passando à frente de cidades importantes como Londres, Paris ou Roma.
 Há uma lenda que diz que Lisboa foi fundada pelo herói grego Ulisses
 e que os primeiros habitantes terão sido povos do ocidente.
 O registo da primeira invasão em Lisboa
data de muito tempo antes do nascimento de Cristo
 quando várias tribos invadiram a Península Ibérica
 e fixaram-se nos terrenos férteis nas margens do Rio Tejo.
Ali tinham as melhores condições para viver...

texto- google

terça-feira, 6 de junho de 2017

Hoje o silêncio gritou




Hoje o Silêncio gritou
cinco vezes a palavra "Amor".
Em seguida, num murmúrio, ele disse: "Saudade"
Tudo isso se passou numa folha de papel
 em branco.

 (Alexandre Reis)

sábado, 3 de junho de 2017

Maria Dilar - Nova Marcha da Madragoa

No dia 5 de Junho de 1932, o Notícias Ilustrado relatava o entusiasmo e a alegria com que os alfacinhas receberam ao primeiro desfile das marchas populares: “Pelo entusiasmo que lavra entre os componentes daquelas colectividades, avalia-se desde já o sucesso formidável que vai ter a revivescência das velhas marchas populares que de cada bairro da cidade nas noites festivas dos Santos populares se encontravam no chafariz da antiga rua Formosa

 No ano seguinte as marchas populares já tinham doze bairros a participar, cada um com a sua marcha, música, traje, coreografia de acordo com um tema inspirado num costume local ou característica do bairro. As canções eram populares e as suas letras estavam sujeitas a aprovação por parte da autarquia.

 Rapidamente, as marchas populares passaram a fazer parte da cidade e ajudaram, de certa forma, a criar uma identidade inspirada nos aspectos urbanos e no rurais da vida dos lisboetas. Este processo foi apelidado de “folclorização do Estado Novo Português” pelo investigador de História Contemporânea do Instituto de Ciências Sociais, Daniel Melo

Para este historiador as marchas populares são “(…) um exemplo singular de folclorização [que] ambicionam instalar uma tradição lisboeta, mas paradoxalmente recorrem, num momento inicial, a elementos pretensamente folclóricos de proveniência exógena (rural), e só depois reforçam os traços directamente associados à cidade

 A celebração dos Santos Populares acontece em todo o país, mas foi em Lisboa que as marchas populares surgiram e é nesta cidade que elas continuam até aos dias de hoje.

 Texto de Sofia Mendes



sexta-feira, 2 de junho de 2017

Poema azul...


O mar beijando a areia
O céu e a lua cheia
Que cai no mar
Que abraça a areia
Que mostra o céu
E a lua cheia
Que prateia os cabelos do meu bem
Que olha o mar beijando a areia
E uma estrelinha solta no céu
Que cai no mar
Que abraça a areia
Que mostra o céu e a lua cheia um beijo meu

Sophia de Mello Breyner Andresen


foto --Maria Dilar







sábado, 27 de maio de 2017

Disney Fantasia, Mother nature to music of Hans zimmer

y
Você pode sonhar, criar,
desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo.
Mas é necessário ter pessoas
para transformar seu sonho em realidade.

 Walt Disney

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Soneto 116


De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
 Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

William Shakespeare

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Escuridão...


Às vezes, num momento de sufoco nos sentimos
mergulhados na escuridão
dos sentimentos negativos.
Os problemas nos parecem mais graves
e as soluções mais difíceis.
Mas, na verdade
 nada está escuro ao nosso redor.
 A ansiedade é que nos tira
a capacidade de perceber a luz.

Desconhecido

terça-feira, 9 de maio de 2017

A tua estrela.


Que a Tua estrela nos encontre
disponíveis para a viagem
mesmo sem que percebamos tudo
Que o seu brilho nos torne pacientes
Com as coisas não resolvidas do nosso coração
E nos ajude a amar as difíceis questões
Segredam pelo tempo fora
Que a tua estrela nos faça reconhecer
Que nunca é tarde
Para que se tornem de novo ágeis e sonhadores
Os nossos passos cansados
Pois nós próprios nos tornamos em estrelas
Quando arriscamos perpetuar
 A Tua luz multiplicada

 José Tolentino Mendonça

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Força...


Que a força do medo que tenho
 Não me impeça de ver o que anseio
 Que a morte de tudo em que acredito
 Não me tape os ouvidos e a boca
 Porque metade de mim é o que eu grito
é saudade Que as palavras que falo
Não sejam ouvidas como prece nem repetidas com fervor

Apenas respeitadas como a única coisa
Que resta a um homem inundado de sentimentos
Pois metade de mim é o que ouço
A outra metade é o que calo
Que a minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que mereço
Que a tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Porque metade de mim é o que penso
 outra metade um vulcão

 Que o medo da solidão se afaste
E o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
 Que o espelho reflicta meu rosto num doce sorriso
 Que me lembro ter dado na infância
 Pois metade de mim é a lembrança do que fui
 A outra metade não sei
 Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
 Pra me fazer aquietar o espírito
 E que o seu silêncio me fale cada vez mais
 Pois metade de mim é abrigo
A outra metade é cansaço
 Que a arte me aponte uma resposta
Mesmo que ela mesma não saiba
 E que ninguém a tente complicar
 Pois é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
 Pois metade de mim é plateia
 A outra metade é canção
Que a minha loucura seja perdoada
Pois metade de mim é amor
E a outra metade também...


 Oswaldo Montenegro
 Carlos Fonseca

sábado, 29 de abril de 2017

O amor quando se revela


O amor, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.

 Quem quer dizer o que sente
 Não sabe o que há de dizer.
 Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...

 Ah, mas se ela adivinhasse
 Se pudesse ouvir o olhar
 E se um olhar lhe bastasse
 P'ra saber que a estão a amar!

 Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala
Fica só, inteiramente!

Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar
 Já não terei que falar-lhe
 Porque lhe estou a falar...

 Fernando Pessoa

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O Homem e a Mulher


O homem é a mais elevada das criaturas.
 A mulher, o mais sublime dos ideais.
 Deus fez para o homem um trono; para a mulher fez um altar.
 O trono exalta e o altar santifica.
 O homem é o cérebro; a mulher, o coração.
 O cérebro produz a luz; o coração produz amor.
 A luz fecunda; o amor ressuscita.
 O homem é o génio; a mulher é o anjo.
O génio é imensurável; o anjo é indefenível;
 A aspiração do homem é a suprema glória;
 a aspiração da mulher é a virtude extrema;
A glória promove a grandeza, e a virtude, a divindade.
 O homem tem a supremacia; a mulher, a preferência.
 A supremacia significa a força; a preferência representa o direito.
 O homem é forte pela razão; a mulher, invencível pelas lágrimas.
 A razão convence e as lágrimas comovem.
 O homem é capaz de todos os heroísmos;
 a mulher, de todos os martírios.
 O heroísmo enobrece e o martírio purifica.
 O homem é a águia que voa; a mulher, o rouxinol que canta
 Voar é dominar o espaço e cantar é conquistar a alma
 Enfim, o homem está colocado onde termina a terra;
 a mulher, onde começa o céu.

 Victor Hugo
.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Lenda e mistério...

 Diz a lenda que muitos e muitos anos atrás
Um casal que se amava contra a vontade dos pais
Se encontravam escondidos na escuridão
Eram guiados pela força da paixão
Era o amor vencendo o medo
 A sete chaves em seu coração
 Deus ouvindo as preces daquele jovem casal
 Lhe mandou o mais lindo sinal
E nesse instante uma luz iluminou o céu
E ele prometeu olhando em seus olhos de mel
O mundo inteiro vai saber que foi
O nosso amor que fez nascer
A lua cheia no céu
Para iluminar quem quiser amar
Lendas e mistérios de um amor ete
Que nem mesmo o tempo foi capaz de apagar
Foi assim que aconteceu
 Um amor que não morreu



Autor do texto
desconhecido

domingo, 9 de abril de 2017

Nossa escolha...


Nossas escolhas não podem ser apenas intuitivas
elas têm que reflectir o que a gente é.
Lógico que se deve reavaliar decisões
e trocar de caminho: ninguém é o mesmo para sempre.
Mas que essas mudanças de rota venham para acrescentar
e não para anular a vivência do caminho
anteriormente percorrido.
A estrada é longa e o tempo é curto
Não deixe de fazer nada que queira
mas tenha responsabilidade e maturidade
para arcar com as consequências destas acções
Lembrem-se: suas escolhas têm
50% de chance de darem certo
mas também 50% de chance de darem errado
 A escolha é sua...

Pedro Bial

foto- Maria Dilar

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Pense positivo...


"Tire do coração o medo
 não dê lugar aos sentimentos que lhe roubam a paz.
 Pense positivo, sonhe alto
 tenha fé, seja grande de coração e seja grato.
No caminhar da vida nem sempre o caminho será fácil
 mas mesmo em meio
as pedras, Deus nos dará sapatos adequados."

 __ Yla Fernandes

sexta-feira, 31 de março de 2017

Reflexão...


Sou uma mulher madura
Que às vezes anda de balanço
Sou uma criança insegura
Que às vezes usa salto alto
Sou uma mulher que balança
Sou uma criança que atura

Martha Medeiros

quarta-feira, 22 de março de 2017

PRIMAVERA!


Sinto uma alegria enorme
Ao pensar que a minha morte não tem importância nenhuma
Se soubesse que amanhã morria
E a Primavera era depois de amanhã
Morreria contente, porque ela era depois de amanhã
Se esse é o seu tempo, quando havia ela de vir senão no seu tempo?
Gosto que tudo seja real e que tudo esteja certo
E gosto porque assim seria, mesmo que eu não gostasse Por isso, se morrer agora, morro contente, Porque tudo é real e tudo está certo.
Podem rezar latim sobre o meu caixão, se quiserem
Se quiserem, podem dançar e cantar à roda dele.
Não tenho preferências para quando já não puder ter preferências
O que for, quando for, é que será o que é.

 (Poemas Inconjuntos, heterónimo de Fernando Pessoa) Alberto Caeiro


Imagem  (google)

sábado, 18 de março de 2017

Janelas do meu quarto.


Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo. que ninguém sabe quem é
 ( E se soubessem quem é, o que saberiam?),
 Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
 Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
 Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa
 Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
 Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
 Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
 Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
 Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer
 E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
 A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.
Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.
 Falhei em tudo.
 Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
 A aprendizagem que me deram
 Desci dela pela janela das traseiras da casa.

 (Trecho de Tabacaria, de Fernando Pessoa)

quinta-feira, 16 de março de 2017

SEM RAZÃO - Maria Dilar


Não acredite em algo simplesmente porque ouviu.
 Não acredite em algo simplesmente porque todos falam a respeito.
 Não acredite em algo simplesmente porque está escrito em seus livros religiosos.
 Não acredite em algo só porque seus professores e mestres dizem que é verdade.
 Não acredite em tradições só porque foram passadas de geração em geração.
 Mas depois de muita análise e observação,

 se você vê que algo concorda com a razão
 e que conduz ao bem e beneficio de todos, aceite-o e viva-o.

 Buda

segunda-feira, 13 de março de 2017

Sou toda FÉ...


"Minhas costas aguentam o peso que levo
 porque o coração está cheio de gratidão.
 Meus pés caminham, mesmo doloridos
 porque acreditam no caminho que escolheram.
Não há como desistir, embora a vontade venha

 quando a certeza de que tudo valerá a pena
 está em cada partícula de nós.
 Sou toda esperança
 Sou feita de fé."

 Rachel Carvalho

domingo, 12 de março de 2017

A face; espelho...


A face é um espelho dos seus sentimentos internos
 É o órgão do corpo mais observado e notado.
O estado da sua consciência é claramente visível nela
 A face reflectirá e espalhará a fragrância da beleza interior
quando é preenchida de pureza e felicidade.
Quando você entra em contacto com os outros
eles lêem e recebem muitas coisas através dos seus olhos
e de sua expressão facial positiva.
Imediatamente isso fica impresso na mente deles.
 Depois - através de acções, gestos e palavras
 eles expressam isso para você."

 Brahma Kumaris

sexta-feira, 10 de março de 2017

DESENHO...

Viver é desenhar sem borracha.
Porém, a vida não é como um desenho
feito a lápis onde, ao se cometer o menor erro
pode-se apagar e consertar o traço.
Sempre ficará a marca d'água do lápis
a mesma forma que o papel amassado
jamais voltará a ser como era antes...

 desconhecido

quinta-feira, 9 de março de 2017

MARIA DILAR - NÃO SEI PORQUÊ


Assim também acontece
Com quem o amor não viveu.
Como não nasce sozinho
Plantemos pois, do amor, a semente
E teremos uma árvore bela e frondosa,
De onde colheremos frutas deliciosas
 Com cheiro e sabor de carinho!

desconhecido

quarta-feira, 8 de março de 2017

Motivo


Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste: sou poeta.
Irmão das coisas fugidias, não sinto gozo nem tormento
. Atravesso noites e dias no vento.
Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço, — não sei, não sei.
Não sei se fico ou passo.
Sei que canto.
E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada
 E um dia sei que estarei mudo: — mais nada.

Cecília Meireles

foto- Maria Dilar


sexta-feira, 3 de março de 2017

Maria Dilar - Fado da saudade (Imagens artísticas)

Para sempre !


Por que Deus permite que as mães se vão embora?
Mãe não tem limite, é tempo sem hora, luz que não apaga
quando sopra o vento e chuva desaba
veludo escondido na pele enrugada
água pura, ar puro, puro pensamento.
Morrer acontece com o que é breve
e passa sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça, é eternidade.
Por que Deus se lembra - mistério profundo - de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo, baixava uma lei:
Mãe não morre nunca, mãe ficará sempre junto de seu filho
e ele, velho embora, será pequenino feito grão de milho.


Carlos Drummod de Andrade
foto-Maria Dilar

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Paz Perfeita 🌟


Certa vez um rei teve de escolher entre duas pinturas
 qual mais representava a paz perfeita.
 A primeira era um lago muito tranquilo
 este lago era um espelho perfeito onde
 se reflectiam algumas plácidas montanhas
 que o rodeavam, sobre elas encontrava-se
 um céu muito azul com nuvens brancas
 Todos os que olharam para esta pintura
 pensaram que ela reflectia a paz perfeita.
 Já a segunda pintura também tinha montanhas
 mas eram escabrosas e não tinham uma só planta
 o céu era escuro, tenebroso e dele saíam faíscas de raios e trovões.
 Tudo isto não era pacífico.
 Mas, quando o rei observou mais atentamente
 reparou que atrás de uma cascata havia
 um pequeno galho saindo de uma fenda na rocha.
Neste galho encontrava-se um ninho.
Ali, no meio do ruído da violenta camada de água
 estava um passarinho calmamente sentado no seu ninho.
 Paz Perfeita.
 O rei escolheu essa segunda pintura e explicou:
 "Paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas
 Ou sem dor.
 Paz significa que, apesar de se estar no meio de tudo isso
 Permanecemos calmos e tranquilos no nosso coração
. Este é o verdadeiro significado da paz."

 Autor Desconhecido

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Não Deixe O Samba Morrer (Videoclipe) - Maria Rita


" Não deixa o samba morrer,
 não deixa o samba acabar,
 o morro foi feito de samba
 e de samba pra gente sambar"

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

A Mulher Inspiradora


Mulher, não és só obra de Deus;
 os homens vão-te criando eternamente
 com a formosura dos seus corações
 e os seus anseios vestiram de glória a tua juventude.
 Por ti o poeta vai tecendo a sua imaginária tela de oiro
 o pintor dá às tuas formas, dia após dia, nova imortalidade
 Para te adornar, para te vestir, para tornar-te mais preciosa
o mar traz as suas pérolas, a terra o seu oiro
 sua flor os jardins do Verão.
 Mulher, és meio mulher, meio sonho

. Rabindranath Tagore, in "O Coração da Primavera"
 Tradução de Manuel Simões
foto- Maria Dilar 

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Maria Dilar - Casinha Pequenina


Todas as casas onde há livros, quadros e discos são bonitas.
 E são feias todas as casas, por mais luxuosas, onde faltem essas coisas...

Eugénio de Andrade

sábado, 11 de fevereiro de 2017

in "Infinito Pessoal"

Desvio dos teus ombros o lençol,
que é feito de ternura amarrotada
da frescura que vem depois do sol
 quando depois do sol não vem mais nada...

Olho a roupa no chão: que tempestade!
Há restos de ternura pelo meio
como vultos perdidos na cidade
onde uma tempestade sobreveio...

Começas a vestir-te, lentamente
e é ternura também que vou vestindo
para enfrentar lá fora aquela gente
que da nossa ternura anda sorrindo...

Mas ninguém sonha a pressa
com que nós a despimos
 assim que estamos sós!


De: DAVID MOURÃO-FERREIRA 

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Á BEiRA DO RIO...


Sentei-me á beira do rio...
conta a lenda que tudo o que cai nas águas desse rio
as folhas, os insectos, as penas das ave
se transformam nas pedras do seu leito.
 Ah, quem dera eu pudesse arrancar
 o coração do meu peito e atira-lo na correnteza
 e então não haveria mais dor, nem saudade, nem lembranças
O frio do inverno fez com que eu sentisse
 as lágrimas no rosto, e elas se misturaram
 com as águas geladas que correm diante de mim.
 Em algum lugar esse rio se junta com outro
depois com outro, até que distante dos meus olhos
 e do meu coração, todas essas águas
 se confundem com o mar...

desconhecido

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

VIAGEM..


Viagem
 É o vento que me leva.
 O vento lusitano.
 É este sopro humano Universal
 Que enfuna a inquietação de Portugal.
 É esta fúria de loucura mansa
 Que tudo alcança Sem alcançar.
 Que vai de céu em céu,
 De mar em mar,
 Até nunca chegar.
 E esta tentação de me encontrar
 Mais rico de amargura
as pausas da ventura
 De me procurar...

Miguel Torga